Semana do Meio Ambiente

Abertura da Semana do Meio Ambiente: Especial Amazônia

Venham celebrar conosco a Cerimônia de Abertura da Mostra Ecofalante de Cinema – Semana do Meio Ambiente: Especial Amazônia!

Quarta-feira, 2 de junho, às 19h00 (horário de Brasília) no canal da Mostra Ecofalante no Youtube. Nos vemos lá!
Flavia Guerra (Apresentadora)

Flavia Guerra é documentarista e jornalista. É editora do TelaTela (@telatelablog), especializado em cinema e TV; apresenta o podcast “ Plano Geral”, com Thiago Stivaletti; é colunista de cinema da @radiobandnewsfm e, em 2019, cobriu os grandes festivais internacionais de cinema para o Canal Brasil.

Chico Guariba (Diretor da Mostra)

Fundador da Ecofalante e idealizador da Mostra Ecofalante. É economista e documentarista, e atua há mais de 30 anos nas áreas de comunicação, educação, meio ambiente e políticas públicas.

Christiane Torloni (Convidada)

Christiane Torloni é uma atriz e produtora com mais de 43 anos de carreira. atuou em 14 peças, 27 novelas e 16 filmes. Como ativista política, ela participou de “Diretas Já” e como ambientalista, liderou o movimento “Amazônia para Sempre”, que coletou mais de um milhão de assinaturas contra a devastação da Floresta Amazônica. Em 2019, dirigiu seu primeiro filme Amazônia, O Despertar da Florestania, em colaboração com Miguel Przewodowski.

Eryk Rocha (Convidado)

Eryk Rocha é um cineasta nascido no Brasil em 1978. Formou-se em 2002 na escola de cinema de Los Baños, Cuba, onde dirigiu seu primeiro longa: Rocha Que Voa. O filme foi selecionado em Veneza, Rotterdam e outros festivais, ganhando o prêmio de Melhor Filme no Brasil, Argentina e em Cuba. Os próximos trabalhos também coletaram presença prestigiosa em eventos nacionais e internacionais tais como Cannes, Sundance, Nova Iorque, Montevidéu, Guadalajara, Buenos Aires, Marseille e Amsterdam. Cinema Novo (2016), seu sétimo longa, recebeu o L’Oeil d’Or de Melhor Documentário no Festival de Cannes. Edna é seu mais recente trabalho.

Estêvão Ciavatta (Convidado)

Diretor, roteirista e produtor de cinema e TV. É sócio-fundador da Pindorama Filmes. Formado em 1993 no Curso de Cinema da Universidade Federal Fluminense – RJ, tem em seu currículo a direção de algumas centenas de programas para a televisão, como os premiados “Brasil Legal”, “Central da Periferia” e “Um Pé de Quê?”, além dos filmes “Nelson Sargento no Morro da Mangueira” e “Amazônia Sociedade Anônima”.

Daniel Junge (Convidado)

Daniel Junge é um documentarista norte-americano. Dirigiu Mataram Irmã Dorothy em 2008. Entre seus trabalhos estão o curta documentário vencedor de um Oscar Saving Face, Being Evel e as séries Secret History of Comics (AMC) e Challenger: The Final Flight, para Netflix.

Fernando Segtowick (Convidado)

Fernando Segtowick nasceu em Belém do Pará em 1971 e estudou jornalismo na Universidade Federal do Pará. Em 2015, fundou a produtora Marahu Filmes e já dirigiu curtas-metragens e séries para a televisão exibidos no Brasil e no exterior. Seus projetos tem como tema as pessoas da Amazônia. Coordena desde 2019, o Marahu Lab, iniciativa de formação para profissionais do Norte do país. Participou do Rotterdam Lab em 2019, com o projeto Passagem Esperança e O Reflexo do Lago é seu primeiro longa-metragem.

Jorge Bodanzky (Convidado)

Jorge Bodanzky é cineasta e fotógrafo. Estudou arquitetura na UNB e cinema na Alemanha nos anos 1960. Dirigiu clássicos como Iracema, Uma Transa Amazônica (1974), Jari (1979) e O Terceiro Milênio (1980). Também atuou como diretor de fotografia em Hitler, IIIº Mundo (José Agrippino de Paula, 1968) e O Profeta da Fome (Maurice Capovilla, 1969), entre outros. Trabalhos recentes, a série exclusiva HBO Transamazônica: Uma Estrada Para o Passado, Ruivaldo, O Homem Que Salvou a Terra, e Utopia Distopia. Atualmente, assina uma coluna em vídeo para a revista Zum do Instituto Moreira Salles e na revista amazonialatitude.com da Florida State University.

Júlia Mariano (Convidada)

Júlia Mariano atua como diretora, roteirista e produtora. Formada em direção de documentários na Escola de Cinema e Televisão de San Antonio de los Baños (EICTV), trabalhou como pesquisadora e roteirista em diversos programas de televisão, tais Viver para Contar (Discovery Channel), Revista do Cinema Brasileiro (TV Brasil). Em 2012 começa sua carreira como realizadora independente, quando produziu e roteirizou o longa-metragem A Batalha do Passinho, (Melhor Documentário na Mostra Novos Rumos no Festival do Rio, 2013). Em 2014 Júlia Mariano dirigiu o curta multipremiado Ameaçados. Em 2017, cria a NOIX CULTURA e dirigiu a série documental Desde Junho. Em 2018 dirigiu a série documental Marcadas, produzida pela Giros e exibida no CineBrasilTV. Atualmente está lançando o documentário Sementes: mulheres pretas no poder; produzido pela Noix Cultura.

Luiz Bolognesi (Convidado)

Roteirista premiado, Luiz Bolognesi escreveu e dirigiu o longa-metragem de animação Uma História
de Amor e Fúria (2013), vencedor do prêmio Cristal de Melhor Longa Metragem em Annecy. O filme foi exibido nos cinemas de seis continentes e premiado nos festivais de Tóquio, Shangai, Atenas, Bordeaux, Strasbourg, Buenos Aires e pela Academia Brasileira de Cinema. Foi exibido na América Latina pela HBO e TV Globo. O documentário Ex-pajé, onde assina o roteiro e a direção, recebeu o prêmio especial do júri nos festivais de Berlim e Chicago, prêmio da Crítica no Festival É tudo Verdade, além de outros prêmios nacionais e internacionais. Seu filme mais recente, A Última Floresta, foi co-roteirizado com Davi Kopenawa.

Marcio Isensee e Sá (Convidado)

Marcio Isensee e Sá é fotógrafo e videomaker baseado no Rio de Janeiro / Brasil. Entre seus trabalhos estão os filmes: Andes Agua Amazônia (2012), Um Rio em Disputa (2015) e, mais recentemente, Sob a Pata do Boi (2018). Com seus filmes já conquistou os prêmios One Hour Award do FReDD Festival em 2018 (França), Menção Honrosa na 7a Mostra Ecofalante – 2018 (Brasil), Prêmio Lusofonia do CineEco Seia 2015 (Portugal) e o Prêmio Petrobrás de Jornalismo em 2017. Seu trabalho foca principalmente na cobertura de questões ambientais no Brasil, onde contribui com publicações relevantes como ((o)) eco, Repórter Brasil, Agência Pública e Arte 1.

Victor Lopes (Convidado)

Victor Lopes é diretor e roteirista. Estreou com Vênus de Fogo, ficção premiada no Brasil e Itália. Dirigiu o curta Bala Perdida, vencedor de 20 prêmios em festivais nacionais e internacionais. Língua - Vidas em Português, seu primeiro filme, foi exibido em 50 países e premiado no Brasil e Portugal. Em 2013, dirigiu Serra Pelada: A Lenda da Montanha de Ouro. Dirigiu ainda os longas Eliezer Batista e As Aventuras de Agamenon, O Repórter, que atingiu a marca de 950 000 espectadores.

Wolney Oliveira (Convidado)

Nasceu em 1960. Formou-se em 1986 em administração de empresas e fotografia. Seu primeiro trabalho foi o documentário Um Dia de Tito (1982). Seguiram-se mais oito documentários. No Festival de Cinema de Brasília de 1999, Milagre em Juazeiro recebeu o prêmio especial do júri e o de melhor atriz coadjuvante (Marta Aurélia). Em 2019, dirigiu Soldados da Borracha.

Fred Rahal Mauro (Convidado)

Diretor, fotógrafo e montador de não-ficção, Fred Rahal Mauro foi forjado no cinema de guerrilha. Suas produções são voltadas para questões socioambientais e experimentam a linguagem documental e dedicam-se à união do trabalho profissional com o ativismo pessoal. Dirigiu o longa-metragem documental O Silêncio é uma prece, assinou as montagens de Fogo na Floresta e Rio de Lama ambos dirigidos por Tadeu Jungle, e o recente Sob a Pata do Boi, dirigido por Márcio Isensee e Sá.

Miguel Przewodowski (Convidado)

Miguel Przewodowski é jornalista, diretor e roteirista de televisão, cinema e teatro. Tem em seu currículo documentários, filmes, séries, videoclipes, música e programas jornalísticos de TV. Em 2019, codirigiu com Christiane Torloni Amazônia, O Despertar da Florestania.

Fabiano Maciel (Convidado)

Fabiano Maciel (Porto Alegre, 1965) é diretor e roteirista de documentários e programas de televisão. Seus principais filmes são: Oscar Niemeyer, a Vida é um sopro (2005), Galáxias (2013) e Sambalanço, a Bossa que Dança (2019). Foi para a Amazônia pela primeira vez em 1989, para filmar os cavalos selvagens de Roraima, junto com o diretor Sergio Bernardes e desde então voltou inúmeras vezes . Atualmente está finalizando seu novo longa, o documentário Quando o Brasil era Moderno.

Belisario Franca (Convidado)

Belisario Franca é sócio fundador e Co-CEO da Giros Filmes, além de Diretor de Estratégia artística. Atualmente é um  dos mais respeitados cineastas brasileiros, tendo em sua trajetória dirigido filmes premiados no Brasil e fora do país.  Em 2016, contou com a escolha do premiadíssimo Menino 23 para compor a long list do Oscar, documentário que, ao  lado de Soldados do Araguaia e do recentemente lançado Nazinha, Olhai por Nós, forma a Trilogia do Silenciamento,  projeto que visa recuperar histórias e personagens brasileiros que vivem à margem da historiografia  nacional. No momento, Belisario assina a direção de O Presidente Improvável, documentário biográfico sobre o ex presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso.