Especial Xingu 60 Anos

DEBATE Imagens do Xingu

O cinema indígena ganhou força na última década. Fruto de um trabalho de formação audiovisual em oficinas espalhadas pelo país há mais de 30 anos, a programação Especial Xingu 60 Anos traz uma série de títulos realizados por cineastas xinguanos. Neste debate, os nossos convidados vão falar da emergência do cinema indígena no Brasil e do trabalho multiplicador de formação audiovisual sendo feito pela primeira geração de cineastas indígenas.

Os 31 filmes podem ser assistidos de forma gratuita e online a partir de nosso site. Veja a programação aqui. Para acompanhar a programação diária, siga as redes sociais da Mostra Ecofalante (Facebook e Instagram).


SOBRE O DEBATE:

Na sexta-feira, 3 de dezembro, às 19h00, nossos convidados vão falar sobre como a representação dos povos indígenas passou por uma revolução ao passar para as mãos de seus próprios representantes.

Já é possível ativar o lembrete do debate aqui (canal YouTube da Mostra Ecofalante).

Para a discussão, contaremos com os seguintes convidados:
Flavia Guerra (Mediadora)

Flavia Guerra é documentarista e jornalista. É editora do TelaTela (@telatelablog), especializado em cinema e TV; apresenta o podcast “ Plano Geral”, com Thiago Stivaletti; é colunista de cinema da @radiobandnewsfm e, em 2019, cobriu os grandes festivais internacionais de cinema para o Canal Brasil.

Kamatxi Ikpeng (Debatedor)

Meu nome é Kamatxi Ikpeng, do povo Ikpeng. Fui formado pelo projeto Video nas Aldeias e Instituto Catitu. Trabalho como fotógrafo e cineasta. Tenho como objetivo produzir, publicar, distribuir vídeos e fotos, com foco na educação, saúde, fortalecimento cultural, defesa da causa indígena e do meio ambiente. Fui realizador no filme Para Onde Foram as Andorinhas? em 2015, sobre as mudanças climáticas e como isso afeta as vidas dos Ikpeng agora e no futuro. A minha produção mais recente é Yarang Mamin - Movimento das Mulheres Yarang (2019).

Mari Corrêa (Debatedora)

Mari Corrêa é cineasta e fundadora do Instituto Catitu, onde deu início ao programa de formação audiovisual de mulheres indígenas como estratégia de empoderamento e valorização dos saberes femininos. Com 29 anos de experiência de trabalho audiovisual compartilhado com povos indígenas, também desenvolveu a metodologia de formação de cineastas indígenas no período em que foi codiretora da organização Vídeo nas Aldeias, produzindo cerca de 30 filmes de autoria indígena. Como cineasta seus principais filmes são Xingu, O Corpo e os Espíritos; Vozes Indígenas; Para Onde Foram as Andorinhas?; Quentura; De Volta à Terra Boa e Pïrínop: Meu Primeiro Contato, premiados em festivais nacionais e internacionais.

Takumã Kuikuro (Debatedor)

É cineasta, membro da aldeia indígena Kuikuro, e atualmente vive na aldeia Ipatse, no Parque Indígena do Xingu. Dirigiu o documentário As hiper mulheres (2011), junto a Leonardo Sette e Carlos Fausto. Teve filmes premiados em festivais como os de Gramado e Brasília, e no Presence Autochtone de Terres em Vues, em Montréal. Em 2017, recebeu o prêmio honorário Bolsista da Queen Mary University London. E foi, em 2019, o primeiro jurado indígena do Festival de Cinema Brasileiro de Brasília.

Kamikia Kisêdjê (Debatedor)

Kamikia é do povo Kisêdjê, da TI Wawi, na região leste do TIX (Território Indígena do Xingu). Formado pelo projeto Vídeo nas Aldeias, escola de cinema para os povos indígenas do Brasil, acompanha e registra em áudio e vídeo as lutas dos povos indígenas do TIX desde o ano 2000. Seu curta mais recente, Topawa, ganhou Menção Honrosa na Competição Latino Americana da Mostra Ecofalante.