Debates Debates

São Paulo

Cerimônia de Encerramento: Premiação da Competição Latino-Americana e Concurso Curta Ecofalante

A Cerimônia de Encerramento da5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, que ocorreu logo após nossa Homenagem ao ambientalista Paulo Nogueira Neto, anunciou as Premiações da Competição Latino-Americana e do Concurso Curta Ecofalante. Em seguida, exibimos os melhores filmes de ambas as categorias.


Premiados

Competição Latino-Americana

Melhor Longa-Metragem pelo Júri: Jaci – Sete Pecados de uma Obra Amazônica, de Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros

Menção Honrosa: Dauna: O Que o Rio Leva, de Mario Crespo

Melhor Curta-Metragem pelo Júri: Feito Torto Para Ficar Direito, de Bhig Villas Bôas

Menções Honrosas: Ameaçados,de Julia Mariano e Sucata, de Walter Tournier

Melhor Longa pelo Público: Sunú, de Teresa Camou

Melhor Curta pelo Público: O Homem do Saco, de Carol Wachockier, Felipe Kfouri e Rafael Halpern

Concurso Curta Ecofalante

Prêmio Curta Ecofalante: Verde Chorume, de Roberta Bonoldi

Menção Honrosa: Travessia, muita vida após a Balsa, de Ana Paula Moreira

Prêmio Curta Ecofalante Escolha do Público: Travessia, muita vida após a Balsa, de Ana Paula Moreira

Prêmios

Os filmes daCompetição Latino-Americana concorreram aos prêmios:

Melhor Longa-Metragem Pelo Júri - com prêmio de R$ 15.000,00;
Melhor Curta-Metragem Pelo Júri - com prêmio de R$ 3.000,00 e
Melhor Longa-Metragem Pelo Público
Melhor Curta-Metragem Pelo Público

Os filmes do Concurso Curta Ecofalante concorreram aos prêmios:
Prêmio Curta Ecofalante
Prêmio Curta Ecofalante Escolha do Público


Júri

Nesta edição, tivemos como Júri da Competição Latino-Americana, os seguintes convidados:


Maria Elisabeth de Sá Freire

Nascida no Rio de Janeiro, é advogada com mestrado em Comércio Exterior e Relações Internacionais. Desde 2001, atua como Diretora-Adjunta do Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo. Curadora Internacional e representante da Semana da Crítica de Cannes e do Festival de Curtas Metragens de Oberhausen, na Alemanha. Atuou como membro do júri de importantes festivais de cinema internacionais, como Berlinale (Berlim), TIFF (Toronto), Morélia (México), Short Shorts (Tóquio), Asiana (Coréia), Zinebi (Bilbao), assim como dezenas de festivais de cinema no Brasil. Participou de diversas comissões de seleção de projetos audiovisuais: Revelando Brasis, Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo por duas vezes, Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo, Ministério da Cultura e Petrobras Cultural.

Solange Alboreda

Animadora socio-cultural do Sesc Santos, doutoranda em Comunicação e Semiótica pela PUC SP, mestre em Engenharia Ambiental pela Unicamp e especialista em Jogos Cooperativos pela Unimonte Santos. Com larga experiência em questões de saneamento básico e sustentabilidade socioambiental, desenvolve uma pesquisa sobre Arte Ecológica. É responsável pelo Espaço de Tecnologias e Artes e programação de Cinema no Sesc Santos.

Aurélio Michiles

É cineasta. Desde os anos 80, atua na área de cinema e televisão. Trabalhou na TV Glo- bo, TV Bandeirantes e SBT. Dirigiu diversos documentários para a TV Cultura – SP. Foi consagrado pelo longa-metragem O Cineasta da Selva (1997), que recebeu diversos prêmios nacionais e internacionais. Também é autor dos filmes-doc Tudo Por Amor Ao Cinema (2015), A Árvore da Fortuna (1992), Teatro Amazonas (2002), Que Viva Glauber! (1992), Lina Bo Bardi (1993), O Brasil Grande e os Índios Gigantes (1995), O Sangue da Terra (1983), Guaraná, Olho de Gente (1982), entre outros. Atualmente, o cineasta encontra-se em fase de captação de recursos para o filme O Rugido do Mar Na Selva.